Somente vinhos produzidos na Rússia podem ser chamados de champanhe, segundo a nova lei de Putin -

Somente vinhos produzidos na Rússia podem ser chamados de champanhe, segundo a nova lei de Putin

Crédito: Sabel Blanco

Somente vinhos produzidos na Rússia podem ser chamados de champanhe, segundo a nova lei de Putin. As importações francesas feitas na região de Champagne agora devem ser rotuladas como “vinho espumante” na Rússia.

No dia 2 de julho, o presidente Vladimir Putin assinou uma nova lei decretando que apenas vinho espumante feito na Rússia pode ser rotulado como champanhe.

Crédito: Sabel Blanco

Champanhe possivelmente é a denominação mais famosa da França, mas, sob o governo da Rússia, não chame essa bebida francesa de “Shampanskoye” – a palavra russa para “Champanhe” – de forma alguma. Em vez disso, as importações da França no país devem conter simplesmente as palavras “vinho espumante”. Se você quiser chamar de “Shampanskoye”, ela precisa ser produzida em solo russo.

Veja também:

Logo depois dessa novidade de Putin, Moët Hennessy ameaçou parar de enviar seu espumante para a Rússia, de acordo com o The Guardian; no entanto, o produtor já estaria enviando garrafas com rótulos novos de “vinho espumante”, na esperança de manter sua fatia de 1 milhão de litros dos 6,5 milhões de litros das importações de champanhe da Rússia a cada ano. “As casas de champanhe Moët Hennessy sempre respeitaram a lei em vigor onde quer que operem e reiniciarão as entregas assim que for capaz de fazer as alterações [no rótulo]”, disseram eles.

Ainda assim, o Comité Champagne – que promove os interesses do champanhe em todo o mundo – compreensivelmente não gostou, enfatizando que não só a Rússia estava cooptando o rótulo “Champanhe” para seu próprio uso, mas também o retirando de produtos que na verdade são originários de uma área chamada Champagne . “Privar o povo de Champagne do direito de usar seu nome é escandaloso. É nossa herança comum e a menina dos nossos olhos”, afirmaram Maxime Toubart e Jean-Marie Barillère, co-presidentes da organização. “O nome Champagne é protegido em mais de 120 países.”

Veja também:

Então, por que não na Rússia? Bem, finalizando a discussão, a especulação da mídia é de que a mudança se destina a impulsionar a indústria do vinho na Crimeia – uma área conhecida por sua produção de vinho espumante. O jornal francês Le Monde também supostamente sugeriu que a mudança poderia ser motivada tanto pessoal quanto financeiramente, apontando que o bilionário Yuri Kovalchuk, um associado próximo de Putin, é dono de vinícolas na região.

Fique por dentro das novidades na nossa página no Facebook Desejo Luxo ou no nosso site www.desejoluxo.com.br

Join the Discussion

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

arrow