Rolex do James Bond usado no 1º filme vai a leilão; veja preço

Rolex do James Bond usado no 1º filme vai a leilão; veja preço

Um relógio Rolex raro, que ficou famoso ao ser usado por Sean Connery no primeiro filme James Bond, “Dr. No”, vai a leilão nesta quarta-feira. O preço do Rolex do James Bond está estimado em 280 mil dólares, o equivalente a mais de R$ 1 milhão.

Cristiano Ronaldo usa relógio Rolex mais caro da história; veja quanto custa
7 símbolos de status dos millenials ricos que estão revolucionando o luxo
Como cuidar da sua faca de ‘chef’
Esta é a mais valiosa grife do mundo da moda

Saiba como ganhar até R$ 8 mil hospedando cães no fim do ano

Mesmo sem a franquia de filmes, a peça seria valiosa para colecionadores, de acordo com a Sotheby’s, responsável pelo leilão. “É uma variação rara de um relógio altamente colecionável” e teria seu preço estimado em 180 mil dólares (100 mil a menos).

A versão em aço inoxidável teria sido produzida em 1958. Quatro anos depois, Connery usaria o relógio que ficou apelidado de Rolex James Bond Submariner.

A Sotheby’s observa que a pulseira marrom está desgastada, mas os marcadores seguem intactos. Segundo a empresa, “o relógio não tem marcas e arranhões significativos”.

Veja também

+ Mudaram as regras para compra de carro para PCD; veja como ficou

+ Carol Nakamura compartilha projeto de sua mansão de R$ 2 milhões; veja

+ 20 passos simples para dar uma cara nova para sua casa

+ Você acha Gracyanne Barbosa sarada? É quer nunca viu a médica Chinesa Yuan Herong

+ Relógio de R$ 3 milhões de Faustão é inspirado em supercarro da Bugatti; veja

+ Dicas fáceis de como limpar panela queimada

+ Enio Mainardi, publicitário e pai de Diogo Mainardi, morre de covid-19

+ Quarto feminino: 6 dicas que você precisa saber antes de planejar o seu

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo



arrow