Enfeite de ouro raríssimo é encontrado em sepultura de 3.800 anos na Alemanha. Veja fotos! -

Enfeite de ouro raríssimo é encontrado em sepultura de 3.800 anos na Alemanha. Veja fotos!

Ouro antigo. Crédito: Yvonne Mühleis, LAD Esslingen
Ouro antigo. Crédito: Yvonne Mühleis, LAD Esslingen
Ouro antigo. Crédito: Yvonne Mühleis, LAD Esslingen

Arqueólogos descobriram a sepultura de 3.800 anos de uma mulher que tinha cerca de 20 anos quando morreu no que hoje é Tübingen, na Alemanha. Dentro de sua tumba, os arqueólogos encontraram um fio de ouro em espiral que pode ter sido usado como um enfeite de cabelo.

É considerado o artefato de ouro mais antigo encontrado no sudoeste da Alemanha. “O ouro contém cerca de 20% de prata, menos de 2% de cobre e traços de platina e estanho. Essa composição aponta para uma liga de ouro natural típica do ouro lavado de rios”, uma composição química que sugere ter vindo do rio Carnon área na Cornualha, Inglaterra, disseram os pesquisadores em um comunicado.

Sepultura da mulher que morreu com 20 anos. Crédito: Universidade de Tübingen, Instituto de Pré-história e Arqueologia Medieval
Sepultura da mulher que morreu com 20 anos. Crédito: Universidade de Tübingen, Instituto de Pré-história e Arqueologia Medieval

“Achados de metais preciosos neste período são muito raros no sudoeste da Alemanha”, disseram os pesquisadores no comunicado. “A descoberta de ouro no distrito de Tübingen é evidência de que grupos culturais ocidentais [como da Grã-Bretanha e da França] ganharam influência crescente sobre a Europa central na primeira metade do segundo milênio [a.C.]”, disseram os pesquisadores.

Veja também:

A mulher foi enterrada em posição fetal voltada para o sul, não muito longe de um assentamento pré-histórico no topo de uma colina onde outras sepulturas foram encontradas.

Sepultura da mulher que morreu com 20 anos. Crédito: Veronika Stein/Universidade de Tübingen
Sepultura da mulher que morreu com 20 anos. Crédito: Veronika Stein/Universidade de Tübingen

Os pesquisadores não encontraram evidências de ferimentos ou doenças, então eles não têm ideia de como ela morreu, disse Raiko Krauss, professor do Instituto de Pré-história e Arqueologia Medieval da Universidade de Tübingen, ao Live Science. Krauss e Jörg Bofinger, um conservador do Escritório Estadual de Baden-Württemberg para Gestão do Patrimônio Cultural, lideraram a escavação do túmulo.

Veja também:

O fato de o objeto ser feito de ouro sugere que a mulher pode ter tido um status social elevado, disseram os pesquisadores. Eles fizeram datação por radiocarbono nos restos mortais da mulher, descobrindo que ela morreu em algum momento entre 1850 a.C. e 1700 a.C. Naquela época, a escrita ainda não havia se espalhado para o sudoeste da Alemanha, então não há registros escritos que possam ajudar a identificar quem ela pode ter sido.

A sepultura foi escavada no outono de 2020 e as descobertas da equipe foram publicadas em 21 de maio na revista Praehistorische Zeitschrift.

Fonte: Live Science

Fique por dentro das novidades na nossa página no Facebook Desejo Luxo ou no nosso site www.desejoluxo.com.br

Join the Discussion

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

arrow